Nº 252 - ANO 18 - SETEMBRO DE 2004
 
Fumicultores ampliam área plantada
 
Os três estados do sul do país aumentarão a produção de fumo para a próxima safra. A área plantada deve passar de 408 mil para 430 mil hectares e a produção, de 852 mil para 880 mil hectares. Os números foram estimados em reunião entre produtores e fumageiras, realizada em Florianópolis, no final de agosto. O presidente da Comissão do Fumo da Farsul, Mauro Flores, saiu satisfeito do encontro. “Haverá demanda para este aumento de produção. Os outros países reduziram suas áreas e o Brasil tem o melhor fumo do mundo a preços competitivos”, avalia. O dirigente explica que as invasões de terras diminuíram a área plantada no Zimbabwe, enquanto os altos custos tiveram o mesmo efeito nos Estados Unidos. Os dois países estão entre os principais concorrentes brasileiros.
Outro assunto debatido na reunião de Florianópolis foi a Convenção Quadro da ONU, que prevê a redução do plantio de fumo. A adesão do Brasil a essa proposta está sendo discutida no Congresso Nacional. As indústrias e os produtores devem intensificar as ações de pressão em Brasília para que os parlamentares não apóiem a proposta de diminuição e extinção gradativa do plantio. “Até podem querer terminar com fumicultura, mas, para isso, alguém tem de encontrar antes uma alternativa para as mais de 200 mil famílias que atuam na atividade sobreviverem”, afirma Mauro Flores.
O plantio das mudas que vão gerar a próxima safra já se iniciou em algumas áreas do Rio Grande do Sul e deve ser concluído somente em outubro. Produtores e indústrias estão promovendo um levantamento dos custos de produção. Os estudos paralelos serão confrontados em novembro, quando também há a perspectiva de discutir o preço que será pago pelo produto. Por enquanto, as indústrias garantiram um preço pelo menos igual ao pago pela última safra.
voltar