Nº 293 - ANO 22 - FEVEREIRO DE 2008
 
Argentina retoma exportação de trigo
 
O governo argentino anunciou a retomada parcial das autorizações para exportação de trigo que estavam suspensas desde novembro. A Secretaria de Agricultura do Ministério da Economia do país informou que poderão ser comercializadas 2 milhões de toneladas nos próximos cinco meses. Cada empresa terá direito a registrar, diariamente, o embarque de 12 mil toneladas. Em função da mudança, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) manteve em 10% a TEC sobre o trigo em grão importado de países de fora do Mercosul.
As indústrias alegavam a necessidade de facilitar a importação do grão dos Estados Unidos e do Canadá para cobrir um déficit estimado em 1 milhão de toneladas. No entanto, o presidente da Comissão de Trigo da Farsul, Hamilton Jardim, afirmava que há 600 mil toneladas com produtores gaúchos e volume semelhante no PR. Para o presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto, que o setor moageiro vinha praticando uma inverdade ao afirmar que é necessário importar trigo. “Tem produto armazenado no Rio Grande do Sul e de boa qualidade.” Por isso, a cadeia produtiva esteve reunida em Brasília com o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, para informar sobre a existência do produto no mercado gaúcho.
Câmara
A Câmara Setorial Estadual do Trigo será reativada até a primeira quinzena de março para definir políticas públicas de incentivo à produção. O anúncio foi feito pelo secretário da Agricultura, João Carlos Machado, que atendeu a solicitação dos triticultores. O próximo passo será a indicação de representantes de cada elo da cadeia produtiva. Conforme Machado, a retomada será determinada em portaria. Segundo o presidente da Comissão de Trigo da Farsul, Hamilton Jardim, o objetivo é desenvolver ações estaduais complementares àquelas que o setor solicita ao Ministério da Agricultura (Mapa). Depois do Carnaval, serão enviadas à secretaria sugestões para evitar prejuízos com a importação de farinha da Argentina.
Safra
A próxima safra brasileira de trigo pode chegar a 2 milhões de hectares, caso o Mapa atenda aos pleitos dos produtores, apresentados ao ministro Reinhold Stephanes no dia 21 de janeiro. Stephanes determinou à sua equipe que analise com prioridade a questão do preço mínimo do grão e da taxação da farinha importada. O comprometimento do ministro deu-se em função da lista de dez reivindicações apresentadas pelos produtores. Uma delas é a revisão do preço mínimo do cereal de R$ 400,00 para R$ 500,00 a tonelada. Outra é a criação de taxação compensatória sobre as importações de farinha de trigo da Argentina.
voltar