Nº 323 - ANO 24 - AGOSTO DE 2010
 
Senar-RS contribui para mudar marca negativa de São José do Norte
 
Município gaúcho com maior percentual de eleitores analfabetos (15,16%, ante uma média estadual de 3,05%), São José do Norte tem recebido atenção especial do Senar-RS. Em parceria com a Petrobras, que financia projetos sociais nas regiões em que atua, a instituição proporcionou cursos do programa Alfa, de alfabetização de adultos no campo, para quatro comunidades rurais do local: Capivaras, Passinho, Bujuru e Barranco. Outra ação recentemente desenvolvida no município foi o programa Jovem Aprendiz.
Sessenta alunos, entre 18 e 80 anos, de quatro turmas, formaram-se nos dias 30 e 31 de julho no Alfa. Eles passaram por 180 horas de aula, ministradas ao longo de 60 dias. Como já é prática no programa, os capacitados em São José do Norte passaram ainda por um treinamento na área de aproveitamento de alimentos e outro na de saneamento rural. “É um programa completo, que oferece desde a educação básica até o primeiro curso de capacitação profissional para o trabalhador ou produtor do campo, incluindo estas pessoas no mundo de possibilidades da aprendizagem”, comenta o superintendente interino do Senar-RS, Carlos Schütz.
Segundo o chefe da Divisão Técnica do Senar-RS, Taylor Guedes, a instituição pretende se habilitar em novos editais lançados pela Petrobras. A estatal investe na formação das comunidades em que atua por meio do programa Integração Comunidades, do governo federal. A experiência de São José do Norte foi a primeira atividade executada pelo Senar-RS com o apoio da empresa.
Já o programa Jovem Aprendiz foi uma parceria do Senar-RS com a prefeitura do município. No dia 20 de julho, 36 jovens receberam certificados de conclusão do Jovem Aprendiz. “Valeu muito ter participado do curso. Comento com meus pais o que seria de mim sem este curso, pois me possibilitou trabalhar e continuar meus estudos”, comentou, emocionado, o aluno Danilo da Silveira, de 18 anos.
Durante um ano, os participantes do Jovem Aprendiz fizeram treinamentos nas áreas de silvicultura, bovinocultura de corte, fruticultura e olericultura, numa carga horária média de 800 horas de aprendizagem, incluindo outros treinamentos como cidadania, gestão rural, legislação e informática. Na última etapa do programa, os jovens exercitaram os conhecimentos adquiridos nos cursos em empresas da área de florestamento localizadas no município, o que já garantiu o primeiro emprego para alguns dos participantes.
O Jovem Aprendiz envolve parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego e capacita estudantes de ensino fundamental do meio rural, preparando-os para o ingresso no mercado de trabalho através de cursos profissionalizantes. Conforme Schütz, o programa tem alcançado altos índices de efetividade, melhorando a qualificação dos jovens.
voltar