Nº 345 - ANO 26 - JUNHO DE 2012
 
Farsul celebra 85 anos com encontro no Parque Assis Brasil
 
A comemoração dos 85 anos de história da Farsul e dos 19 anos do Senar-RS reuniu autoridades, dirigentes de sindicatos rurais e dirigentes de entidades empresariais em um jantar realizado na noite de 24 de maio no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio.
O evento lembrou a trajetória vitoriosa da entidade nascida em 1927, com a criação da então Federação das Associações Rurais do Rio Grande do Sul. Primeira entidade do gênero no País, a Farsul se consolidou nas décadas seguintes como uma das principais vozes em defesa do agronegócio no Estado e no Brasil, sempre apresentando posições fortes em favor dos interesses dos homens e mulheres do campo.
Esse trabalho construído no dia-a-dia da Federação foi reverenciado com uma homenagem oferecida aos ex-presidentes Flor Amaral, Balthazar de Bem e Canto, Ary Faria Marimon, Hugo Eduardo Giudice Paz e João Salvador Jardim, representado pelo ex-diretor Camilo Cottens.
Em seu discurso, o presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto, enalteceu atuação da Federação ao longo dos anos e brincou com o fato de a entidade ser a mais antiga no Brasil. “Alguns diriam que é a mais velha, mas nós preferimos dizer que é a mais experiente, a mais capaz”, disse.
O presidente da Federação ainda exaltou a ousadia e a coragem dos que apostaram na união do setor para criar uma entidade comprometida com a lei e com o desenvolvimento econômico gaúcho. Também destacou como um dos desafios do setor a adoção de práticas que permitam um melhor enfrentamento das repetidas estiagens que assolam o campo. “A Farsul não está preocupada em combater a seca. Temos de, por provocação da seca, buscar mecanismos para ter alta produtividade em todos os períodos e safras, e com isso termos uma carteira de sustentação para os momentos de agruras, como o que estamos passando”, disse Sperotto, que também foi homenageado no evento.
Presente em Esteio, o governador Tarso Genro elogiou a colaboração oferecida pela base produtiva ao setor público, graças a sua experiência de vida, de luta e de produção. “Deixo a minha mensagem a essa entidade e a todos vocês que construíram essa parte importante da base produtiva histórica de nosso Estado. Vamos alavancá-la para um patamar cada vez maior de pujança e de desenvolvimento”, afirmou em seu discurso.
O ex-presidente Balthazar de Bem e Canto, que comandou a Farsul entre 1982 e 1985, ressaltou o papel da Federação como um elemento de agregação dos produtores do Rio Grande do Sul em torno de demandas fundamentais para o agronegócio. “É naquela casa que se definem as coisas, que se reivindica, que se leva ao governo as solicitações do setor. A Farsul tem sido um fato de grande relevância para a resolver problemas do campo e para assessorar os governos para que façam uma boa administração voltada ao setor rural”, afirmou.
“Os desafios do campo têm muito mais do que 85 anos. Na verdade, a produção de alimentos sempre teve opositores, o que não se consegue explicar. Do produtor de um pé de alface ao produtor de milho, soja, todos lutam para se equilibrar. O Brasil tem 16% da área agricultável do mundo, isso demonstra a importância da produção de alimentos para o país”, acrescentou Ary Marimon, que presidiu a Farsul entre 1985 e 1991.
Flor Amaral, que dirigiu a Federação entre 1979 e 1982, enfatizou a importância do setor para o Estado, lembrando a participação elevada da agropecuária no PIB gaúcho. Importância que foi antevista pelos fundadores da Federação, na opinião do ex-presidente Hugo Eduardo Giudice Paz. “Tiveram um vislumbre do que viria a ser a agricultura na economia do Rio Grande do Sul e do Brasil. E hoje estamos desfrutando dessa relevância econômica, sendo o setor mais eficiente da economia nacional. O maior gerador de receitas e o mais promissor em termos de futuro. O Brasil seguramente tem um papel no cenário internacional como potência pela capacidade de geração e produção de alimentos. É na produção de alimentos que estamos ocupando e merecendo esse destaque. É por isso a importância da Farsul”, afirmou.
O presidente da Federação das Indústrias do Estado (Fiergs), Heitor José Müller, avaliou que o agronegócio e a indústria formam uma parceria indispensável para a economia. Afinal, muitas indústrias dependem da matéria-prima da agricultura, assim como agricultura necessita de máquinas e insumos gerados pela atividade industrial. “Festejar os 85 anos de uma entidade como a Farsul, com a representatividade e a credibilidade que tem, é uma honra muito grande. É um prazer cumprimentar os que fazem da agricultura o seu modo de vida e a grandeza desse país. Se olharmos os números, quem está carregando o país nas costas é o agronegócio”, arrematou.
O secretário da Agricultura do Estado, Luiz Fernando Mainardi, definiu a celebração dos 85 anos da Farsul como a comemoração dos avanços que agricultura gaúcha teve no período. “Tudo é diferente. A qualidade genética mudou para melhor, o campo se modernizou. Estamos produzindo muito mais em cima de uma mesma área. Somos muito mais eficientes. Acreditamos muito mais na tecnologia e temos certeza, em função de todo o trabalho desenvolvido por todos, de que ao Brasil e ao Estado está reservado um papel importantíssimo na produção de alimentos para o mundo nos próximos 85 anos”, projetou.
Presidente da Sociedade Rural Brasileira, Cesário Ramalho da Silva, relembrou o papel do Rio Grande do Sul como um grande exportador de tecnologias, de mão de obra, de trabalho, de inteligência e de liderança, por meio dos produtores que conquistaram o país nas mais variadas regiões brasileiras. “É um mérito extraordinário. É uma alegria ter um povo tão valoroso e determinado naquele que é o maior negócio do Brasil: o agronegócio”, salientou.
O diretor financeiro da Federação da Agricultura do Estado Paraná, João Luiz Rodrigues Biscaia, apontou a Farsul como um exemplo de trajetória em defesa do agronegócio e reconheceu que o agronegócio paranaense deve muito ao Rio Grande do Sul, de onde saíram muitos dos pais e avós de seus produtores rurais. “Devemos muito da nossa posição na agropecuária nacional à Farsul e sua experiência levada a todos os Estados”, disse.
O presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina, José Zeferino Pedrozo, também relatou a contribuição da Farsul para o agronegócio em seu Estado. “Se hoje estamos no estágio que estamos devemos esse reconhecimento à Farsul. Quando nossas propriedades estão ameaçadas, são as lideranças da Farsul que convocamos e que vão nos ajudar a enfrentar os momentos difíceis que passamos no passado”, recorda.
O 1º vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira, lembrou o pioneirismo da federação gaúcha e lembrou sua participação fundamental na representação dos anseios do produtor rural gaúcho. “Nada melhor do que comemorar esses 85 anos no parque da Expointer, que é a representação máxima do agronegócio no Rio Grande do Sul”, comemorou.
O superintendente do Senar-RS, Gilmar Tietböhl, afirmou que a entidade se tornou uma parte da história do Rio Grande do Sul ao longo dos seus 85 anos. “Todas as ações da Farsul influíram muito nos destinos do Estado porque influíram muito no meio rural, e as ações mais recentes tiveram uma força especial. Eu destaco especialmente a questão dos transgênicos porque a Farsul saiu na frente defendendo o direito do produtor de poder usar uma semente que lhe trouxesse mais renda”, acrescentou.
Também estiveram presentes nas comemorações dos 85 anos da Farsul os deputados federais Luis Carlos Heinze (PP) e Jerônimo Goergen (PP); os deputados estaduais Ernani Polo (PP), presidente da Comissão de Agricultura da Assembleia Legislativa, Lucas Redecker (PSDB), Zilá Breitenbach (PSDB) e Frederico Antunes (PP); o procurador–geral de Justiça, Eduardo de Lima Veiga; o desembargador Genaro Borges; o presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS), Vitor Koch; e o superintendente do Ministério da Agricultura no Estado, Francisco Signor.

Homenagem do parlamento
A Farsul foi homenageada na Assembleia Legislatva do Estado, em Grande Expediente proposto pelo deputado Ernani Polo (PP), presidente da Comissão de Agricultura do parlamento. Na mesma sessão, o presidente da entidade, Carlos Sperotto, recebeu a medalha da 53ª Legislatura.
Na abertura da sessão, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Alexandre Postal (PMDB), lembrou que a Federação “faz um grande trabalho em prol do desenvolvimento do nosso Estado” e “lida como poucos no embate e na defesa dos seus ideais da produção primária, da agropecuária do nosso Estado”. Em seu discurso, Polo lembrou das raízes históricas da entidade sindical criada em 24 de maio de 1927, com o nome de Federação das Associações Rurais do Rio Grande do Sul. O ato, no Teatro São Pedro, foi uma resposta ao momento de crise no campo, à época afetado pelo contrabando de gado e de charque, furto e matança de animais, altos custos, entre outros desafios. “Muitos problemas continuam atuais, como a alta carga tributária, os elevados custos de produção, a ausência de logística adequada, a falta de proteção aos produtores. São fatores que ocasionam um grande endividamento do setor”, lembrou Polo.Também homenagearam a Farsul os deputados Miki Breier (PSB), Marcio Biolchi (PMDB), Cassiá Carpes (PTB), Zilá Breitenbach (PSDB) e Mano Changes (PP).
Para o presidente da Farsul, Carlos Sperotto, o Grande Expediente foi um momento de reconhecimento à trajetória da Federação. “A Farsul foi a primeira federação de agricultura do Brasil e sinalizou o caminho para as demais. Temos marcado nossas ações pela proatividade, buscando ações conjuntas com o Estado”, disse. Nessa linha, o presidente da Comissão de Agricultura do da Assembleia Legislativa destacou a colaboração que a entidade sindical vem dando para a elaboração de uma radiografia da produção animal e vegetal do Estado, auxiliando no levantamento de dados como custos de produção agropecuária e sinalizando gargalos da atividade.

Congresso Nacional
Os três senadores gaúchos, Ana Amélia Lemos, Pedro Simon e Paulo Paim, encaminharam voto de congratulações do Senado à Farsul. E, em novembro, a Federação será uma das entidades do agronegócio homenageadas pela Câmara dos Deputados, com a Medalha do Mérito Legislativo, proposta pelo deputado federal Jerônimo Göergen (PP).
voltar