Colunista Online
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Picanha recheada
Estava eu outro dia pensando em variar as carnes que costumamos comer, eu e a Cintia. Toda terça feira ela trabalha ate mais tarde e eu resolvi surpreendê-la.Tarefa difícil, pois ela já está mal-acostumada. Mas pensei, pensei e optei por um assado, de forno. Peguei um picanha, de tamanho médio, com um pouco mais de quilo.E rechei-a. Veja as instruções.
- 1 Picanha com 1,0 / 1,2 kg;
- 300g de queijo mussarela;
- 1 cx de bacom em fatias;
- 6 tomate secos;
- tempero verde;
- 6 dentes de alho picados;
- azeite de oliva;
- sal a gosto.
Modus operandi:
Limpe bem a picanha, mantendo a capa de gordura. Esfregue-a ligeiramente com sal Faça um corte- um buraco, de maneira tranversal, com cuidado pra não furá-la. Se isso acontecer, costure também ali.Preencha o buraco com a mistura de bacon, tempero verde, queijo muzzarela, e tomate secos picados miúdos, regados com um fio de azeite e temperados com uma pitada de sal. Costure em pontos pequenos para que não vaze.Unte um prato refratário com azeite de oliva, ponha a picanha e cubra-a com fatias de bacon, sobre a gordura. Feche o prato com papel-alumínio e elve ao forno por 45 minutos em temperatura de 150º. Após isso, tire o papel aluminio, suba a temperatura para 250º, e deixe dourar o bacon. Retire quanto estiver com a impressão de caramelizado. Acompanha purê de batatas e farofa torradinha.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Rango profi

Foi em 88, 1988. Vim morar em porto alegre com dois primos. E herdamos a cozinheira da nossa avó, a dona Elita. Mas isso não vem ao caso. Resulta que, ao me ver sózinho, pela primeira vez na vida, resolvi me virar. E aí começou o meu namoro com a cozinha. Cozinha e não cozinheira, hein?? Lembro bem, a vítima foi um carreteiro. Arroz e guisado. Não me sái tão mal exceto que foi a única vez que alguém comeu um carreteiro crocante, sem rapa. Quer dizer, faltou água ao arroz e ele ficou demasiado aldente. Ehehehe. 17 anos depois, descobri que adoro cozinhar, mas sempre foi uma atividade informal e prazerosa pra mim, portanto amadora mesmo e sem nenhuma orientação, ou seja, totamente autodidata. Ontem, quarta feira, lá em casa,entre um truco e outro, tivemos o primeiro contato como profissionalismo culinarístico: o Rodrigo Caggiani, que está cursando gastronomia na Unisinos, foi encarregado de lidar com as panelas. Para 10 pessoas comerem , com bom apetite.
- 3 maminhas( cerca de 3,5kg de carne);
- cebola;
- cenoura;
- alho;
- vinho tinto seco;
- sal e pimenta à gosto;
- adobo;
- 1,5kg de massa(3 pacotes);
Faça uma marinada com o vinho, a cebola, as cenouras, sal e pimenta e tempere as maminhas, deixando-as de molho por no mínimo uma hora. Então, esquente bem uma panela e sele as carnes. Após, jogue os temperos sólidos da marinada para fazer o molho. Quando estiver bem refogada, junte o vinho que restou da marinada, tampe e deixe reduzir o molho. É isso. Finalize com tempero verde picado miúdo. Fatie a carne, jogue de volta ao molho, e sirva em cima de um colchão de massa. Simples, fácil e muito gostoso. Só os profissionais conseguem ser sucintos em atitudes e profundos nos sabores obtidos.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Metido à besta!
Eu adoro guizado! Acho que é o upgrade da carne! Principalmente para quem gostar de comer ás bocadas, de boca cheia, sem cortar nem se preocupar com osso. Deve ser o sonho do glutão! Recebi a visita de um cumpadre e resolvi transformar um pedaço de alcatra em comida. Piquei ela miúda, fritei em azeite bem quente, temperada apenas com sal e uma pitada de adobo. Reservei. Fiz um refogado com bastante cebola e pimentão. Deixei murchar, e entao acrescentei uma lata de molho de tomate. Reduzi bem, escorreguei um fio de azeite de oliva, e joguei entao os cogumelos: champignom e funghi seco (desidratado ainda e picado míudo) e o alho. Voltei com o guizado. Agregar duas taças de um bom tinto, uma de água, baixar o fogo e aguardar o molho se recompor. Derrame o guizado em cima de um macarrão.
Ingredientes para 4 pessoas:
- 800 gramas de alcatra;
- 125 g de champignom;
- 40 g de funghi seco;
- cebola e pimentão para o molho;
- 1 lata de molho de tomate;
- 2 taças de vinho tinto e 1 de água;
- 500 g de massa;
- azeite de oliva.
Polvilhe com queijo ralado e sirva com prazer.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Bolo !
Não sou muito chegado a fazer doces. Aliás, nenhum. Sempre dei preferência aos salgados. Tanto que bolo pra mim, é de carne. Fiz outra noite e a Carrapata disse que em 4 anos juntos era a primeira vez que eu fazia bolo de carne. São mais de 2800 refeições sem eu me lembrar do ingrato! Assim como almondêgas, que são as versões reduzidas e personalizadas do mesmo! Pois então, fí-lo. E como estou magnânimo, resolvi compartilhar com vocês a receita. É o seguinte:
Para 4 pessoas.
- 600 gramas de guizado de 1ª;
- 4 cebolas médias : 2 picadas miúdas e 2 para decorar;
- 1pimentão vermelho: 1/2 picado miúdo e 1/2 para decorar;
- 1 cabeça de alho(10-12 dentes) esmagada;
- 2 ovos;
- sal e adobo à gosto;
- miolo de pão embebido em leite( 3 cacetinhos"descascados', picados e "dissolvidos" em leite)
- 1 pacote de bacon em fatias (5 fatias picadas miúdas para massa do bolo, o resto para decoração);
- farinha de trigo peneirada (o suficiente para dar liga à mistura);
- 2 colheres de sopa de azeite de oliva;
- temperinho verde.
Jogue todos os ingredientes dentro de uma bacia e misture bem. Deixe descansar por meia hora. Unte uma forma com azeite de oliva, e molde a mistura como se fosse um pão. Decore ela com as fatias de bacon, e solte por cima finas tiras-porém abundantes- de cebola e pimentão vermelho.
P.S: Se quiser, pode rechear a mistura com uma linguiça calabresa, pré-cozida previamente. Acompanha purê de batata, arroz branco e salada de rúcula e cenoura ralada.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Risoto de calabresa
Lá em casa, as obras de reformas necessárias são feitas em família. Funciona assim: Nós pensamos- eu, a Cíntia e o mestre-de-obra executor Newton, meu sogro. Ele faz e eu sirvo de peão/servente de obras! Mas já passamos pela pior parte e agora estamos nos detalhes. O bom disso tudo é ver aquele nada se transformar. E as jantas, que são a única parte de pagamento que o Newton leva, e efêmera! A última desculpa para ele filar uma boía lá em casa foi medir a pedra do balcão. Aproveitei e testei uma receita: o título acima. Vamos lá. Mas antes, vá ao Mercado Público de Porto Alegre e compre uma linguiça cortada á faca, com pimenta. para seis pessoas
- 1,5 kg de linguiça calabresa, com pimenta, cortada à faca;
- 4 cebolas grandes cortadas em tiras;
- 1 pimentão vermelho cortado em tirinhas;
- uma cabeça de alho picada(12-15 dentes);
- 5 tomates maduros picados em tiras( sem polpa e sem sementes);
- 2 colheres de chá do tempero Paellero;
- 350 g de arroz arbório;
- cerca de dois litros de caldo de carne;
Para facilitar, pré-cozinhe a linguica, deixe esfriar e então a fatie (pode fazer isso na hora, passando por água fria, para acelerar o processo de resfriamento). Isso evita que ela se desmanche. Em uma panela grande e bem quente, derrame azeite de oliva e frite bem a cebola, o pimentão e um terço do alho. Deixe murchar e jogue os tomates. Refogue um pouco, para reduzir o molho. Acrescente então o arroz, o alho restante. Frite bem a mistura. Agora é que entra a linguiça, junto com um pouco de caldo. Polvilhe com o Paellero, e vá acrescentando, aos poucos, o caldo fervente, e mexendo sempre, sem parar, até dar o ponto. Ele fica num tom amarelolaranja e o arroz, cremoso. Para dar mais cor e agradar aos olhos, pique bem miudinho, o temperinho verde. Acompanha um bom tinto. E as risadas da família.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Carne com massa
Estava o Rafa, meu irmão, em porto alegre nesse fim de semana. Após um domingo atribulado, onde churrasco, chope e o Inter me embriagaram, ele foi jantar comigo. Era segunda feira, 14 de março. Resolvi fazer um estrognofe. Mas, no meio da preparação, troquei. Resolvi que queria comer massa. E foi o que eu fiz.Vamos a receita, para 4 pessoas:
- 800 gramas de alcatra cortada em tiras;
- 3 cebolas grandes cortadas em tiras;
- uma lata de molho de tomate;
- funghi seco hidratado ( o suficiente pra dar gosto);
- alho( uns 6 dentes grandes);
- Nata;
- queijo ralado;
Modus operandi:
Em uma panela bem quente, deite um fio de azeite. Jogue a carne e frite bem até dourar. Acrescente a cebola e frite ate murchar. Então ponha o alho, o funghi picado miúdo e o molho de tomate, e deixe ferver para misturar. E agora o toque: acrescente um pacote de massa, do tipo penne. Sim junto com o molho. Derrame água fervente o quanto baste pra encharcar a massa. Tampe a panela e vá mexendo constantemente, para que a massa não pegue no fundo e cozinhe parelha. Acrescente mais água aos poucos. Depois de cozida, desligue. Então jogue a nata e o queijo ralado e mexa bem. Sirva logo em seguida.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Carne de Ovelha
Das coisas mais presentes que trago da minha infância, é o consumo de carne de ovelha. Junto, sabores que só podem ser conquistados em volta do centenário fogão à lenha da cozinha da Novo São João. Estava eu um tanto nostálgico na noite passada, e resolvi brindar a minha mulher com uma receita simples: Costelinha com arroz. É fácil , saborosa e perfeita se acompanhada de um feijão mexido.Vamos a ela.
- Costela de Ovelha;
- cebola;
- alho;
- arroz;
Frite bem a costela numa panela de ferro, com um fio de azeite de oliva. Quando estiver dourada e pegando no fundo, acrescente a cebola. Deixe murchar a cebola, para que solte a cor do fundo, dando uma tonalidade caramelada. Jogue o alho e o arroz, e frite bem. Acrescente a água fervente e tampe. Se for no inverno, vá mexendo o arroz e acrescentado água aos poucos, para ficar ensopadinho... Acompanha um bom tinto e a pessoa amada, no caso a Cíntia! Para servir, podes polvilhar com tempero verde picado grosseiramente.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Aperitivo para Churrasco.
Nesta semana, fiz um churrasco para a minha esposa que aniversariava. Grande sucesso são as coxinhas de asa à moda mexicana. Devem ser servidas como tira-gosto, para abrir o apetite e a sede, já que são ligeiramente picantes, o que apetece uma cerveja bem gelada. Faça o seguinte:
2 bandeijas de coxinha de asa;
2 cebolas pequenas;
1/2 pimentão vermelho;
1 cabeça de alho descascada(cerca de 10, 12 dentes)
1 lata de molho de tomate(servirá como medida);
1 e 1/2 lata de bebida alcoólica(de preferência tequila, mas pode ser cachaça, vodka, uísque...);
1 lata de água;
1/4 de lata de azeite de oliva;
2 colheres de sopa de açúcar mascavo( ou o que vc tenha à mão);
tempero verde, alecrim, sálvia fresca e sal à gosto;
2 colheres de sopa de Tabasco( molho de pimenta) A pimenta é o mais importante, junto com o açúcar mascavo. São os ingredientes que irão determinar o sabor do prato.

Bata tudo no liquidificador, prove e jogue por cima das coxinhas. Deixe marinar por no mínimo 12 horas. Asse de longe, regando constantemente com o marinado. Quando o açúcar começar a queimar. está na hora de servir.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Engasga gato com abóbora
Passaram as festas, as férias e retornamos a rotina na capital. De resto, trago lembranças e algum sabor antigo, marcado por saudades pueris. Os dias que passei na estância fazem eu salivar de satisfação e saudades. Como é bom um feijão feito em fogão a lenha, temperado com charque de ovelha. E o espinhaço ensopadinho com arroz? Bah, o arroz feito com banha, branquinho, escorregadio... Para arrematar, de sobremesa, uma coalhada. Vixi...Por isso sairá desta lavra uma receita bem campeira.
Engasga gato com abóbora
Ingredientes:
- 1 kg de Carne de Ovelha;
- 3 Cebolas grandes;
- 1 Pimentão Vermelho;
- 10 dentes de alho;
- 1kg de Abóbora ( escolha a da sua preferência);
- Temperinho verde;

Desosse um quarto de ovelha, e pique em pedaços graúdos. Tempere com sal, pimenta do reino preta moída. Esquente uma panela de ferro, e deite um fio de óleo. Frite bem a carne, até dourar.
Acrescente a cebola picada, o pimentão e metade do alho. Refogue bem até desmanchar os temperos. Jogue o restante do alho e a abóbora. Refogue mais um pouco e vá acrescentando, aos poucos, água fervente para cozinhar a abóbora, sem fazer muito caldo. Quando pronto, jogue o tempero verde picado grosseiramente por cima. Acompanha arroz branco.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Reaproveitê de Sobrê
Bem , chega a época de fim de ano e as orgias gastronômicas se sucedem. Aproveitando que sempre temos sobras, darei sugestões para melhor aproveitá-las.

Sanduíche de leitão:
Fatie bem fino o leitão. Em uma panela bem quente, junte manteiga e o leitão. Frite bem. Em seguida junte uma cebola fatiada bem fininha, um dente de alho picado miúdo, e finas tiras de pimentão vermelho. Jogue duas fatias de queijo provolone e espere derreter. Abra um pão francês, faça uma cama de rúcula, e deite o leitao com queijo por cima. Acompanha uma cerveja bem gelada.
Peru:
Faça um molho branco. Refogue o peru cortado grosseiramente , com cebola,pimentão, alho e tomate. Junte ao molho branco e jogue por cima de massa previamente cozida.
Cordeiro:
Fatie bem fino a carne do cordeiro, bem como a cebola e o pimentão ( verde e vermelho). Tempere com azeite de oliva, vinagre e temperinho verde. Sirva como salada
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Chuva
O dia tá lobuno, cor de burro quando foge. Já eu me sinto um guri de
brinquedo novo, radiante!!! Nem sempre um simples jantar causa tão boa
impressao que possa gerar um convite profissional. Oxalá tudo corra bem!!!
Segue a receita:
iscas de filé, cebola e pimentão cortados em tirinhas finas, 50g de funghi
hidratados e cortados em cubinhos.
Modo de fazer:
frite bem a carne, temperando com sal, pimenta rosa móida grosseiramente e
comentários sobre algum assunto do dia.
Quando a carne estiver bem dourada, acrescente a cebola e o pimentão,
polvilhando doses generosas de bom humor, refogue até a cebola dourar. Então acrescente um copo de vinho branco ou champanhe à panela, e diversos
às suas companhias. Enquanto o molho reduz e você põe a farinha de trigo,
entorne rapidamente o copo do veneno que esteja bebendo. Afinal, o
cozinheiro também precisa estar temperado.
Deixe a farinha fritar e logo após, vá acrescentando o leite fervido, até resultar num pseudo molho
branco. Este é o momento ideal para uma atenção aos seus convidados,
enquanto cozinha a farinha. Beba mais uma dose. Logo após levantar a fervura
adicione os funghis, com um pouco do caldo deles, que é para dar cor ao
prato. Cozinhe por mais uns minutos, enquanto você escorre a massa. Antes de
servir, espalhe tempero verde moído miúdo. Sirva bem quente, tanto as
conversas como o prato. Acompanha vinho tinto, gargalhadas e
confraternização entre os convivas.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Bacalhau à Martins
Dessalgue o bacalhau com doze horas de antecedência. Escorra, troque a água
e leve para ferver. Enquanto isso, tome um mate com o "velho". Corte a
cebola e o pimentão verde grosseiramente. Enquanto você desmancha em lascas o
bacalhau - retirando o que sobrou da pele e as espinhas, refogue, junto com a
cebola, pimentão e alho - muito alho aliás, três folhas de louro. Frite bem.
Sirva outra dose de uísque, encha a taça, beba enfim. Quando a cebola
estiver bem dourada e as bochechas querendo avermelhar, largue as lascas.
Frite até dourar bem, se necessário, acrescente mais azeite, de oliva!
Ponha mais alho picado e o arroz. Mexa bem para ficar uniforme a mistura
arroz-bacalhau-alho novo. E vá adicionando a água que você cozinhou o
bacalhau e reservou, temperada com açafrão. Obs: a água tem que estar
fervendo.
Tampe e baixe o fogo. Enquanto o arroz cozinha, ouça mais alguns
causos da família.
Sirva acompanhado de um bom tinto, temperinho verde e
pão. Regue com azeite de oliva e atenção ao pai interiorano.
Beijos pai. Este bacalhau com arroz é pra ti.
voltar
 
TREMPE E FOGÃO
Gustavo Ibarra
Olla Podrida light
Rapaz, hoje acordei com fome. E de sopa!!! Resolvi fazer, lógico!!! Aí vai.
Ingredientes: carne de peito, linguiça e mondongo. Batata, moranga, milho
verde, aipim,cebola, pimentão, tomate, alho e algum verde, como couve.
Tempo de preparo: no mínimo, 3 horas.
Grau de dificuldade: For blondies.
O negócio é o seguinte, frite a carne de peito e o mondongo até dourar, em
seguida, largue a cebola e o pimentão. Quando começar a murchar, é a vez do
tomate picado. Deixe fritar um pouco e então ponha o aipim e o milho. E a
batata e a moranga raladas. Sim , raladas. Deite sobre a gororoba que formou
água fervente. Tampe, deixe ferver. Mexa para que a mistura não cole no fundo
da panela e queime. Corrija o sal. Deixe ferver mais um pouco. Pesque os
pedaços de carne cozidas. Esfiape eles, como se fosse fazer fricassé. Pesque
novamente, agora os milhos, debulhe-os do sabugo. Para finalizar, tarrafeie
o aipim, retire o fio do miolo e esmague ele. Jogue tudo de volta a panela.
A seguir, pique grosseiramente uma cabeça de alho e a linguiça calabresa,
sem a pele avermelhada, e deixe ferver bem, até incorporar à sopa.
Acrescente água sempre que engrossar demais. antes de servir, largue a couve
picada.
Para requintes de crueldade, faça o seguinte: bata ovos, como para omelete e
antes da couve, vá acrescentando a sopa devagar, enquanto mexe
vigorosamente.
Essa levanta defunto!!!
voltar