Jornal em Formato HTML
 
Nº 414 - ANO 32 - MARÇO DE 2018
 
A despedida de um líder ruralista
 
Carlos Rivaci Sperotto, incansável liderança na defesa do produtor rural gaúcho e brasileiro, faleceu na tarde de 23 de dezembro, no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, aos 79 anos. Presidente da Farsul há duas décadas, ele lutava contra um câncer de esôfago desde o final de 2016. Deixa esposa, quatro filhos e três netos - além de um exemplo de gestão e comprometimento com o “setor primeiro” da economia, como gostava de chamar o agronegócio.
Centenas de pessoas estiveram na sede da Farsul, em Porto Alegre, para prestar uma última homenagem ao dirigente, lotando o auditório da Federação, onde ocorreu o velório das 21h de sábado (23) até as 11h30min de domingo (24). O cenário dava mostras do que a figura do presidente representou. Logo na entrada, enormes coroas de flores decoravam o local, enviadas das mais diversas regiões do país - foram 99, ao todo. No auditório, o vaivém era constante, e poucas cadeiras restavam vazias. O caixão foi colocado ao centro do palco, e sobre ele descansava uma bandeira da Farsul.
Amigos, familiares, colegas e funcionários buscavam consolo uns nos outros, enquanto lembravam de momentos vividos ao lado de Sperotto. Autoridades políticas também foram constantes no salão, como a senadora Ana Amélia Lemos, o senador Lasier Martins, os secretários estaduais da Agricultura, Ernani Polo, dos Transportes, Pedro Westphalen, e da Segurança Pública, Cezar Schirmer, o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), João Augusto Nardes, os deputados federais Afonso Motta, Alceu Moreira, Luis Carlos Heinze e Jerônimo Goergen, os deputados estaduais Frederico Antunes e Catarina Paladini, o superintendente regional do Ministério da Agricultura, Bernardo Todeschini, o ex-governador, senador e ministro da Agricultura Pedro Simon, e o ex-deputado federal Victor Faccioni.
Despediram-se do líder ruralista ainda os ex-presidentes da Farsul Hugo Paz e Flor Amaral, e o vice-presidente da CNA Mário Borba, além de nomes do setor empresarial como Luiz Carlos Bohn (Fecomércio), Gilberto Petry (Fiergs), Odacir Klein (BRDE), Vergilio Frederico Perius (Ocergs), Nestor Bonfanti (Fetag-RS), Paulo Schwab (Arco), Alexandre Velho (Federarroz), Beth Cirne Lima (Devon), André Barretto (Fearroz), Eduardo Suñe (ABCCC), Luciano Terra (ABHB), José Antônio Weber (Angus), Leonardo Lamachia (Febrac), entre outros.
Quem não pode estar presente, lamentou a perda pelas redes sociais e desejou força à família e aos amigos do presidente do Sistema Farsul, também presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/RS e vice-presidente da CNA até dezembro, entidade esta que representava em diversos grupos setoriais, como a Federação das Associações Rurais do Mercosul (Farm). O governador do Estado, José Ivo Sartori, ressaltou que Sperotto foi “um homem à frente de seu tempo, de posicionamento firme, íntegro e honesto, que deixa um legado inestimável para a agricultura do Rio Grande do Sul”. O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, também lembrou do amigo de mais de 30 anos: “Estivemos juntos em muitas e grandes batalhas. E nelas conquistamos muitas vitórias e contabilizamos algumas derrotas, mas nunca desistimos de lutar.”
Ao final da manhã de domingo, houve a benção do bispo Dom Leomar Antônio Brustolim, no próprio auditório da Farsul, antes de uma grande salva de palmas irromper no local. Foi a imagem final da trajetória de Carlos Sperotto como ícone na defesa do agronegócio. O corpo foi encaminhado a seguir ao Crematório Metropolitano, também na capital gaúcha, em cerimônia íntima para os familiares. Confira algumas manifestações de autoridades, dirigentes setoriais e amigos de Sperotto:

“Meu amigo Carlos Sperotto descansou. Um homem à frente de seu tempo, de posicionamento firme, honesto e íntegro, que deixa um legado inestimável para a agricultura do Rio Grande do Sul.”
José Ivo Sartori, governador do Estado do Rio Grande do Sul

“Carlos Sperotto é uma figura de grande dificuldade para substituir, porque foi muito grande. Transformou a Farsul na sua casa, na sua atividade, e dedicou a sua vida na defesa do produtor rural gaúcho e do Brasil. Vamos levar avante a Federação dentro do que ele pregava, que era a política de resultados. Era um homem movido a problemas: buscava os problemas para resolvê-los.”
Gedeão Pereira, vice-presidente da Farsul

“Sperotto deixa um grande legado para a agricultura gaúcha e brasileira. Estou muito triste pela perda do amigo de mais de 30 anos. Estivemos juntos em muitas e grandes batalhas. E nelas conquistamos muitas vitórias e contabilizamos algumas derrotas, mas nunca desistimos de lutar.”
Blairo Maggi, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

“Sperotto, nos mais de 15 anos à frente da Farsul, contribuiu de modo inestimável para que o Brasil se tornasse a potência agrícola que é. Seu exemplo e a influência de seu caráter certamente hão de nos ajudar a fazer o país novo que desejamos e precisamos.”
Geraldo Alckmin, governador do Estado de São Paulo

“Foi um líder que marcou época, uma liderança de posições firmes e de forte personalidade. Deixa um admirável legado.”
Ernani Polo, secretário estadual da Agricultura, Pecuária e Irrigação

“A agropecuária gaúcha e brasileira perde um dos seus grandes líderes. Carlos Sperotto deixa legado de relevante contribuição no desenvolvimento rural do Estado.”
Ana Amélia Lemos, senadora

“Sperotto sempre foi um homem cordial, afável e amigo de todos. Não houve luta criada em favor do produtor rural em que ele não estivesse entre os líderes. Perdemos alguém a quem o Rio Grande do Sul deve muito.”
Lasier Martins, senador

“Homem determinado, corajoso e desbravador. Vai fazer falta ao Rio Grande, especialmente na representação empresarial.”
José Paulo Cairoli, vice-governador do Estado

“Lamentamos profundamente o falecimento do querido amigo e companheiro de tantos embates ao longo de uma vida dedicada às melhores causas da agropecuária brasileira. Sua trajetória ficará marcada na história do nosso sistema como referência de coragem e determinação.”
João Martins, presidente da CNA

“Era um homem que perseverou em busca de seus ideais. As demandas do setor foram fundamentais para o país, e Sperotto sempre estava à testa delas, fazendo um trabalho excelente.”
Hugo Paz, ex-presidente da Farsul (1991-1997)

“Seu nome tornou-se uma marca na história do agronegócio gaúcho, brasileiro e do Mercosul. Uma história que nunca vai se apagar. Tenho muito orgulho de ter acompanhado essa caminhada desde o início”
Francisco Schardong, diretor administrativo da Farsul

“Sperotto, líder de posições firmes, amigo leal, homem de um coração imenso, sempre pronto e disponível para atender aos outros”.
Jorge Rodrigues, diretor financeiro da Farsul

“Sperotto foi uma pessoa única, que deixa ao agronegócio brasileiro um inestimável legado. E a todos que lhe foram próximos também deixa a certeza do quanto foi especial o privilégio de conviver com ele, nesses profícuos anos do Sistema Farsul.”
Gilmar Tietböhl, superintendente do Senar-RS

“Sperotto tinha uma capacidade de diálogo muito grande, ouvia a todos antes de tomar decisões. Como amigo, estava disponível a qualquer hora, sempre com abertura para conversar francamente sobre as coisas.”
Nestor Hein, advogado do Sistema Farsul

“Não tinha líder mais competente, respeitado e mais temido que o Sperotto. Nessas horas de muitas profundas convicções, onde estamos numa briga de um novo espaço pelo Estado e pela agricultura, ele fará muita falta.”
Pedro Simon, ex-senador, governador e ministro da Agricultura

“Ele foi fundamental para atravessarmos momentos difíceis, buscar alternativas e auxílio. Era referência no setor primário do nosso país.”
Germano Rigotto, ex-governador do Estado

“Foi a partir da liderança de Sperotto junto ao trabalho feito com os parlamentares que viabilizamos o debate de temas como a securitização, as negociações com as cooperativas e a Moderfrota. Ele fez parte da história que possibilitou transformar o agronegócio no Brasil.”
João Augusto Nardes, ministro do Tribunal de Contas da União

“A ele devemos muitas vitórias nas lutas contra os inimigos do campo. Que do céu continue inspirando nossa permanente luta para o engrandecimento da agropecuária gaúcha e nacional.”
Sebastião Guedes, presidente do Conselho Nacional da Pecuária de Corte

“Destaco sua forte liderança, a garra e a seriedade com que esteve à frente da Farsul. Foi um homem que nunca desistiu, estando envolvido em ações de forte impacto no setor, como o caminhonaço e o tratoraço. As pessoas tinham respeito muito grande por ele e por suas decisões firmes. Deixa um sentimento de admiração”.
Mário Borba, vice-presidente da CNA

“Líder da entidade que congrega todos nossos agricultores e pecuaristas do Rio Grande do Sul, Sperotto foi incansável na defesa do setor e grande parceiro nos pleitos orizícolas.”
Henrique Dornelles, presidente da Federarroz

“Sperotto foi uma grande e incontestável liderança da entidade, uma pessoa que prezava o diálogo e as negociações. Inúmeras pautas foram puxadas de forma conjunta. Sua morte representa uma considerável perda para a agropecuária gaúcha.”
Carlos Joel da Silva, presidente da Fetag-RS

“Sperotto foi uma pessoa do agronegócio que deixa uma marca muito forte em termos de liderança e de competência. A Expodireto desde o início teve presença dele. Sempre participou ativamente. O que ele deixou, vamos aproveitar muito bem.”
Nei Mânica, presidente da Cotrijal
“Sperotto representou um papel importante no fortalecimento do setor e contribuiu ao longo de muitos anos para o desenvolvimento econômico do Estado.”
Vitor Augusto Koch, presidente da FCDL-RS

“O Rio Grande do Sul e o Brasil perdem um homem profundamente identificado com o agronegócio, que ofereceu, ao longo dos anos, inestimável contribuição em prol do crescimento do setor e, consequentemente, do desenvolvimento econômico e social da nação.”
Francisco Turra, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal e ex-ministro da Agricultura
voltar