Jornal em Formato HTML
 
Nº 412 - ANO 32 - JANEIRO DE 2018
 
Destaques na defesa do arroz recebem Troféu Solução
 
A Comissão do Arroz da Farsul promoveu, na noite de 21 de dezembro, a entrega do Troféu Solução, que valoriza pessoas e entidades que se destacaram durante o ano na defesa do setor arrozeiro gaúcho. Os homenageados nesta que foi a quinta edição do prêmio foram o presidente do Sindicato Rural de Santo Antônio da Patrulha e diretor da Farsul, Jorge Luiz Dutra dos Santos; o radialista Alex Soares, responsável pelo programa Conexão Rural, de Camaquã; o deputado federal Luis Carlos Heinze; e a assessoria econômica do Sistema Farsul.
Santos foi uma das lideranças mais atuantes na polêmica envolvendo a cultivar 424, cujo produto final recebeu desvalorização na indústria na safra passada, sob argumentos técnicos. O setor produtivo não concordou, entendendo que este era um desconto de mercado, visto a grande oferta interna de momento. “Jorge foi um grande colaborador, trazendo entendimento sobre a questão e alertando sobre o que ela traria de dano para a lavoura”, justificou o presidente da Comissão do Arroz da Farsul, Francisco Schardong. O produtor rural de Santo Antônio da Patrulha agradeceu a homenagem e falou com otimismo sobre a atividade, que vive dias de amargura. “Temos as rédeas, só falta botar a mão”, disse.
A voz de Soares, sempre disposta a falar dos gargalos e conquistas do setor arrozeiro no programa de rádio Conexão Rural, no ar há três anos, foi reconhecida pelo troféu da Federação. “Somos excepcionais dentro da porteira, mas fora dela pecamos, muitas vezes porque não conseguimos mostrar ao mundo do que somos capazes. Existe um programa em Camaquã que mostra o que estamos fazendo”, disse Schardong. O radialista afirmou que muito do que sabe aprendeu ouvindo a Farsul e que tem orgulho de falar sobre o campo. “É um trabalho de coração”, declarou.
A relação histórica entre o deputado federal Luis Carlos Heinze e o setor arrozeiro, que teve como um dos episódios mais recentes a ação em defesa do produtor na construção de um programa de refinanciamento de dívidas relativas ao Funrural, é o que explica a homenagem entregue a ele este ano. “Heinze luta há mais de 20 anos pelo setor e tem a trajetória marcada pela busca incessante de soluções”, disse o presidente da Comissão do Arroz da Farsul. O parlamentar, arrozeiro de São Borja, afirmou que a atividade merece atenção por ser a atividade agrícola mais importante da metade Sul do Estado. Mostrou ainda preocupação que o arroz trilhe, nos próximos anos, caminho parecido com o trigo, que apresenta retração no plantio a cada safra, e disse que a saída é atacar os custos de produção, muito elevados em relação aos países vizinhos. “O Mercosul não pode nos desmanchar. Tem de ser tema constante daqui para frente”, defendeu.
A equipe econômica do Sistema Farsul, formada por Antônio da Luz, Danielle Guimarães, Ruy da Silveira Neto, Bruno da Silva e Renan dos Santos, foi premiada por conta do estudo que indica que o custo de produção do arroz no Brasil é 51% maior que na Argentina e 24% maior que no Uruguai. A explicação está na burocracia brasileira, que não permite a importação de insumos mais baratos, e a elevada carga tributária. “A verdade veio à tona e teve repercussão”, disse Schardong.
Durante a solenidade, o vice-presidente da Farsul, Gedeão Pereira, destacou o respeito que o agronegócio ganhou no imaginário coletivo nas décadas mais recentes e defendeu mais união no setor. “O agronegócio é tão poderoso e intenso que temos de firmar posição perante o governo para derrubar essa carga tributária que aí está colocada”. Schardong finalizou os discursos destacando que a entrega do troféu comprova que a integração na cadeia produtiva do arroz é possível e deve acontecer para superar desafios. “Não existe indústria sem produtor, nem produtor sem indústria”. Participaram da cerimônia o secretário da Agricultura do Estado, Ernani Polo, o superintendente do Senar-RS, Gilmar Tietböhl, o vice-presidente da Fetag-RS, Nestor Bonfanti, entre outras lideranças.
voltar