Jornal em Formato HTML
 
Nº 417 - ANO 32 - JUNHO DE 2018
 
Defensivos
 
O governo federal atendeu pleito da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), e manteve seis defensivos agrícolas, utilizados em culturas como soja, milho, feijão e hortaliças, na Lista de Exceções à Tarifa Externa Comum (Letec). Com isso, foi mantida alíquota zero na importação dos mesmos, evitando elevação de custos ao produtor rural.
A decisão foi tomada em 7 de fevereiro, na primeira reunião do Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex) realizada no ano. “Onerar o produtor só tende a prejudicar a cadeia produtiva como um todo, diante da redução da renda e capacidade de pagamento”, comentou a coordenadora de Produção Agrícola da CNA, Natália Fernandes, após o anúncio.
Conforme apurado pela entidade, havia solicitação dentro do órgão federal para aumentar a alíquota de 0% para 8% dos produtos fipronil, clorpirifos, imidacloprido, metomil, carbendazim e tebutiourom - feita por representantes da indústria brasileira de defensivos agrícolas. A CNA, por sua vez, defende que é possível melhorar a competitividade na área de modo diferente: dando mais transparência e celeridade no processo de registro.
voltar