Jornal em Formato HTML
 
Nº 421 - ANO 32 - OUTUBRO DE 2018
 
Juntos para Competir garante apoio a mais de 3 mil produtores
 
A continuidade é a base do ano para o programa Juntos para Competir, realizado em parceria entre Farsul, Senar-RS e Sebrae/RS. Foi mantida a carteira de 30 projetos coletivos em andamento, que envolvem diversas cadeias produtivas do agronegócio, com foco no aumento da produtividade, qualidade, renda e mercado. São mais de 3 mil produtores atendidos, por meio de um investimento de R$ 15,9 milhões. O trabalho foi detalhado em encontro estadual da equipe, realizado em 14 de maio, no auditório da Federação, em Porto Alegre.
Para o presidente do Sistema Farsul, Gedeão Pereira, também à frente do Conselho Deliberativo do Sebrae/RS, a justificativa está nos depoimentos dos empreendedores atendidos. “O Juntos tem sido peça vital para muita gente”, afirma ele. Para mostrar como ações simples podem mudar a vida dos empresários gaúchos, citou o contato com representantes do setor metal-mecânico na mais recente Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque. “Um soldador me disse que passou a ganhar dinheiro no momento em que o Sebrae/RS chegou na casa dele e ensinou questões contábeis. É uma situação que encontra paralelo no campo”, disse.
Gedeão comentou ainda sobre a possibilidade, cada vez mais próxima, de contar com outras entidades do “Sistema S” no grupo (Senac, Senai), além de detalhar os planos para a atuação do Juntos para Competir na Expointer (deve abordar soja, ovinos e vitivinicultura), o novo projeto de apoio a startups do agronegócio do Sebrae/RS e a visão permanente sobre a cadeia produtiva - a exemplo do Programa Líder, que reúne lideranças de todos os setores para debater o desenvolvimento econômico de uma região. “É vendendo essa ideia de unidade que podemos construir um grande programa”.
O diretor-superintendente do Sebrae/RS, Derly Fialho, reforçou ainda a mobilização e os avanços que o programa gera no campo gaúcho. Para ele, os índices produtivos, como na pecuária de corte, ainda podem melhorar muito, e o apoio das entidades é fundamental. Já o superintendente do Senar-RS, Gilmar Tietböhl, destacou a importância da integração no trabalho para se atingir resultados ainda mais impactantes no meio rural, pois quem depende desse trabalho precisa contar com a máxima competência dos profissionais envolvidos.
A seguir, foram detalhados os projetos coletivos em andamento (ver tabela). Foram destacadas a variação entre o público atendido na pecuária de corte; a inclusão do abate e comercialização nos projetos de ovinocultura; o trabalho de estruturação da cadeia produtiva do leite na Metade Sul após o fechamento de indústria importante da região; a desmistificação de questões relativas à integração entre lavoura e pecuária, que deve encerrar o primeiro projeto neste ano; e a crescente formalização de agroindústrias. Outros tópicos abordados foram o trabalho de organização da cadeia da apicultura para colocar o mel nos entrepostos sem atravessadores; a formatação de um programa de Boas Práticas Agrícolas (BPA) para frutas e hortaliças; as capacitações em parceria com Agas (frutas, legumes e hortaliças) e CNPC (mel); e a intervenção na vitivinicultura da Região da Campanha, além da principal região produtora, a Serra Gaúcha. O grupo deve começar a debater a carteira de projetos de 2019 a partir de julho.
voltar