Jornal em Formato HTML
 
Nº 422 - ANO 32 - NOVEMBRO DE 2018
 
Gedeão Pereira é eleito presidente da Farsul para o triênio 2019/2021
 
Cento e dezoito sindicatos rurais gaúchos conduziram a chapa liderada pelo atual presidente da Farsul, Gedeão Pereira, ao comando da entidade nos próximos três anos (2019-2021). A eleição, em chapa única, aconteceu em 31 de outubro, das 9h às 16h, na sede da Federação, em Porto Alegre. Foi o 42ª pleito da mais antiga federação estadual de agricultura do país, fundada em 1927.
Estavam aptos a votar o total de 137 sindicatos. Destes, 119 compareceram à votação (um deles votou em branco), cumprindo com margem o mínimo de votos previsto em estatuto para eleição (93). A diretoria, formada por 31 representantes de todas as regiões do Estado, todos eles produtores rurais, está agora oficialmente responsável pela defesa dos interesses do campo gaúcho, entre eles a vocação de produzir, o direito de propriedade, a livre iniciativa de mercado e o desenvolvimento do país. A renovação é de 30%, comparada à gestão atual, com ampliação do número de mulheres na diretoria (agora três).
Para Gedeão, o resultado é a confirmação da mensagem emitida pelos sindicatos em agosto, quando não houve oposição. Diante de 60 pessoas no auditório da Farsul, ao final da contagem de votos, falou que aquele era um “ato singular” de sua vida, em que sentiu de fato “o peso da responsabilidade” de suceder Carlos Sperotto, com a aprovação explícita do sistema sindical. “A Casa será engrandecida se souber trabalhar, trazer as demandas dos sindicatos. Temos a obrigação de fazer uma Farsul no mínimo do tamanho daquela de Sperotto. Precisamos estar permanentemente ligados às necessidades deste nosso fantástico agronegócio”, afirmou o dirigente.
Aplaudido com entusiasmo, o presidente então posou para fotos com diretores antigos e novos, com a comissão eleitoral, com os responsáveis pela apuração de votos, além de outra especial com o ex-presidente da Farsul João Jardim. À imprensa, comentou sobre os desafios nos próximos três anos e o resultado das eleições gerais brasileiras. A expectativa é que seja aberta uma nova realidade política para o setor, por conta do alinhamento dos principais eleitos às ideias do empresariado.
O presidente ainda deixou claro que preza por uma gestão colegiada, com autonomia de funções - algo que dialoga com o processo de interiorização do Sistema Farsul, realizado no primeiro semestre do ano. A iniciativa originou, por exemplo, a regulamentação das comissões temáticas da Federação, órgãos consultivos da presidência que devem ter atuação reforçada no ano que vem.

Quem é Gedeão Pereira
Produtor rural de Bagé, o médico-veterinário Gedeão Silveira Pereira, 70 anos, tem uma trajetória marcada por desafios e conquistas, dentro e fora da porteira. Formado em 1971, pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), sempre pautou a administração da Estância Santa Maria pela busca de eficiência e o avanço de tecnologia. Ainda na década de 1970, ela foi a primeira propriedade do Brasil a reduzir a idade de abate para 24 meses.
Ao mesmo tempo, trabalhou a parte agrícola, primeiro com o arroz, depois com a soja irrigada, produção de eucaliptos e sementes forrageiras em marca própria. Mas a essência da propriedade está na pecuária de corte, com a comercialização de reprodutores da raça Hereford e Polled Hereford.
A primeira experiência sindical foi justamente como diretor da Associação Brasileira de Criadores de Hereford e Braford. Posteriormente, foi escolhido o primeiro presidente da configuração que uniu o sindicato à associação rural de Bagé, em 1992. Nessa entidade, tornou-se um dos expoentes da filosofia de “Novo ruralismo”, marcada pela defesa do direito de propriedade contra investidas do MST (Movimento Sem Terra) e do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). As mobilizações deram visibilidade ao dirigente, que foi convidado pelo presidente da Farsul, Carlos Sperotto, a dirigir a Comissão Fundiária da entidade. De diretor, chegou à vice por quatro mandatos, condição que o alçou à presidência em dezembro de 2017, com o falecimento do líder e amigo pessoal.
Pela mesma circunstância, é hoje presidente do Conselho de Administração do Senar-RS, presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae/RS e vice-presidente do Fundesa. Pela CNA, além de delegado representante efetivo da Farsul, acumula a presidência do Fórum Mercosul da Carne e é responsável pela área de Relações Internacionais da entidade.

Diretoria executiva
A diretoria executiva eleita para o triênio 2019-2021 é formada por Elmar Konrad (vice-presidente), Francisco Schardong (1º diretor administrativo) e José Alcindo de Souza Ávila (1º diretor financeiro).
Konrad é engenheiro agrônomo e produtor rural de Ibirubá, com pós-graduação em gestão empresarial, ênfase em agronegócios. Integra a diretoria da Farsul há 20 anos. Em janeiro, passou a ocupar a 1ª vice-presidência da entidade, cadeira que havia ficado vaga quando Gedeão assumiu o posto de Sperotto. Foi definido por votação interna. O dirigente acumula a função com a presidência do sindicato rural do município.
Schardong é engenheiro agrônomo, natural de Triunfo, onde foi presidente do sindicato rural, vereador e prefeito (1993-1996). À frente do município, atuou como diretor da Federação das Associações dos Municípios do Estado (Famurs) e idealizou a comissão da agricultura da entidade. Integra a diretoria da Farsul desde 1991, tornando-se 1º vice-presidente e depois 1º diretor administrativo de Sperotto. É nome de destaque na defesa do setor de arroz (presidiu por uma década a Câmara Setorial do grão no Ministério da Agricultura) e da pecuária gaúcha.
Ávila é de São Jerônimo, formado em Direito. Após 21 anos de carreira no Banco do Brasil, a maior parte do tempo como fiscal de carteira agrícola, deixou a empresa para trabalhar com gado em propriedade particular e arrendamentos em 1997. Dois anos mais tarde, foi eleito presidente do sindicato rural, cargo que ocupa até hoje. Tornou-se 2º diretor financeiro da Farsul em 2003. É o diretor encarregado pelo departamento de contribuição sindical e superintendente da Casa Rural desde que ela foi criada, em 2006.
voltar