Jornal em Formato HTML
 
Nº 423 - ANO 32 - DEZEMBRO DE 2018
 
Empresários voltam da China otimistas com apelo do agronegócio
 
O saldo é positivo da missão empresarial brasileira à China, realizada entre 4 e 10 de novembro, com organização da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). O grupo participou de reuniões com importadores, órgãos públicos reguladores, distribuidoras e redes varejistas, com a meta de incrementar em US$ 395 milhões/ano as exportações do país apenas na área de frutas e lácteos. O presidente da Farsul e diretor responsável pelas Relações Internacionais da CNA, Gedeão Pereira, liderou a comitiva do setor agropecuário.
O primeiro compromisso foi uma reunião de alinhamento dos membros da delegação empresarial, incluindo os ministros Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Marcos Jorge (Indústria, Comércio Exterior e Serviços), ainda no domingo (4). O dia seguinte incluiu seminário sobre como acessar o mercado chinês, a cerimônia de abertura da China International Import Expo (CIEE) e debate com a Associação de Inspeção e Quarentena de Xangai e a Shanghai Golden Commercial Exhibition, com foco nas normas e procedimentos de certificação e habilitação de produtos estrangeiros no país.
Na terça (6), o grupo visitou a empresa Good Farmers, que atua no segmento de frutas, sucos, hortaliças e carnes. A marca desembolsou US$ 410 milhões, apenas no ano passado, para importar abacaxi, kiwi, pitaya, banana e outras frutas. De volta à CIEE, na quarta (7) — a convite da estatal Yili Group, que importa de 34 países — parte do grupo conheceu as perspectivas para o futuro da indústria de laticínios chinesa. Destaque também para a visita ao centro de distribuição Shanghai Longwu Imported Fruit and Vegetable Wholesale Market, onde o grupo pode conferir o preço das frutas importadas, a variedade disponível e como elas são embaladas.
A missão empresarial teve programa parecido na quinta (8), só que no varejo: os representantes conheceram supermercado de produtos importados da rede City Shop. A agenda ainda contou com visita à Zona de Livre Comércio de Xangai e o showroom de produtos importados D.I.G. “Conhecemos mais sobre os processos de entrada e desembaraço dos produtos importados na China”, relata Gedeão. Seminário sobre comércio eletrônico chinês e jantar encerraram as atividades no país asiático.
voltar