Jornal em Formato HTML
 
Nº 424 - ANO 33 - JANEIRO DE 2019
 
Senar-RS investe em consultorias técnicas e ensino avançado
 
O Senar-RS terá duas grandes frentes de trabalho em 2019. Primeiro, pretende ampliar a assistência técnica e gerencial nas propriedades, por meio de consultorias individuais e enfoque mais prático. A outra meta é investir em novas tecnologias na Formação Profissional Rural, com o lançamento de produtos avançados que tornem a entidade uma referência para qualquer público atendido. O anúncio aconteceu na coletiva de final de ano do Sistema Farsul, dia 6 de dezembro, em Porto Alegre.
O principal exemplo de assistência técnica do Senar-RS hoje é o programa Mapa Leite. Ele consiste na ida a campo dos instrutores para ajudar a corrigir problemas particulares de cada produtor, tanto na produção quanto na administração da propriedade. Depois, retornam inúmeras vezes para garantir o aprendizado. “Esse tipo de atendimento permite transferir conhecimento de forma específica e adequada à realidade de cada produtor, que aprende enquanto faz”, destaca o superintendente do Senar-RS a partir de janeiro, Eduardo Condorelli.
Em 2018, o Mapa Leite contabilizou mais de 9 mil visitas técnicas em 74 municípios do Estado. Além da produção leiteira, segmentos como ovinocultura e apicultura devem inaugurar ações de consultoria ao longo do ano.
Outro programa de treinamento itinerante que será fortalecido é o Deriva Zero, que procura reduzir os casos de deriva na aplicação de agroquímicos no interior gaúcho. A situação compromete a produtividade de outras culturas e onera o bolso, pelo desperdício de insumo. Em pouco mais de quatro meses na estrada, a iniciativa atendeu 314 agricultores, e será retomada de imediato em 2019.
O Senar-RS também pretende aumentar a oferta de capacitações no que há de mais avançado em termos de tecnologia para o agronegócio. Ainda no primeiro semestre, promete lançar curso de operação de veículos aéreos não tripulados, os chamados drones. Os equipamentos podem desempenhar tarefas como análise de plantação, pulverização em pequena escala e vigilância no meio rural. Apenas um exemplo do que está sendo planejado.
Para Condorelli, o Senar-RS deve ser capaz de treinar mão de obra assim que as novas ferramentas surgem no mercado. A única maneira de alcançar esse objetivo seria organizando e gerando conhecimento de ponta dentro da entidade e buscando aproximação com startups e empresas de alta tecnologia. “Existe hoje uma parcela muito importante de produtores com nível elevado de tecnologia e gestão. Precisamos nos tornar, também para estes, uma referência de conhecimento”, destaca.
O Senar-RS atendeu mais de 154 mil pessoas em 2018, por meio de cursos, palestras, programas e treinamentos nas áreas de Formação Profissional Rural, Promoção Social e Ações Especiais (Programa Alfa). Também esteve presente em 69 exposições e feiras do Estado, com destaque para Expointer e Expodireto, recebendo nelas mais de 19 mil visitantes.

Novo superintendente
O zootecnista Eduardo Condorelli é o novo superintendente do Senar-RS. Ele assumiu a função em janeiro, em substituição a Gilmar Tietböhl. Condorelli foi instrutor do Senar-RS, supervisor na Região da Campanha, assessor da superintendência e da Presidência do Sistema Farsul. A escolha coincide com a posse da nova diretoria da Federação, liderada pelo presidente Gedeão Pereira.
Natural do Rio de Janeiro (RJ), Condorelli formou-se em Zootecnia pela Universidade Federal de Lavras, de Minas Gerais, e possui mestrado em Ciências pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). É produtor de soja, silvicultura e pecuária de corte em Bagé, exerce a vice-presidência do Sindicato Rural e integra câmaras técnicas do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema).
voltar