Jornal em Formato HTML
 
Nº 428 - ANO 33 - MAIO DE 2019
 
Olhares no futuro
 
O movimentado mês de março termina com a certeza de que o futuro é promissor para o Rio Grande. Na tecnológica Expodireto Cotrijal, de Não-Me-Toque, o produtor se viu cercado pelos mais recentes lançamentos de máquinas, sementes, fertilizantes, nutrientes e defensivos agrícolas — que não são poucos, e por isso animam. O mesmo pode-se dizer da Expoagro Afubra, de Rio Pardo, e seu nicho de mercado bem definido e tão relevante.
Estimulados pela conjuntura política e econômica, milhares de agricultores e pecuaristas de todo o Estado bateram recordes de público nessas feiras, ávidos pela troca de informação e por realizarem investimentos. Compararam produtos, fizeram as contas e encaminharam negócios na ordem de R$ 2,5 bilhões, que certamente refletirão em uma agricultura mais eficiente, robusta e sustentável nos próximos anos.
A participação do agronegócio na economia brasileira e os resultados que ele obteve em meio à grave crise dos últimos anos também têm chamado a atenção de empresas emergentes com produtos inovadores, as chamadas startups. Sempre na vanguarda da produção, o Rio Grande do Sul foi um dos cinco estados a mapear esse ecossistema de negócios nas últimas semanas, por meio do Instituto CNA, com apoio do Sistema Farsul. Ficou a lição de que há enorme espaço para crescimento e desenvolvimento desse setor, com alto potencial de contribuição à competitividade do agronegócio, que já é alta.
Somente a excelência produtiva é capaz de explicar a satisfação dos adidos agrícolas e representantes de nove embaixadas com o que viram em roteiro diplomático no Estado, a convite da CNA. Clientes consolidados, como China, Egito e Irã, e países de grande interesse comercial, como Japão, compuseram a delegação estrangeira e fizeram questão de manifestar a vontade de comprar mais, diversificar as importações no Brasil e investir nos gargalos de infraestrutura que tanto oneram o bolso do produtor e ainda prejudicam a conquista de alguns mercados internacionais.
Dentro e fora da porteira, o meio rural gaúcho ganhou boas notícias. Mas o alívio só será completo com a urgente aprovação das reformas tributária e previdenciária do governo federal — aquelas que têm o poder de colocar o país novamente na rota do crescimento, a qual jamais deveria ter abandonado. Essas mudanças também definem a probabilidade de remuneração equilibrada no campo em longo prazo.
Nesta safra, a colheita é farta em soja e milho no Estado e até surpreende no arroz, depois das enxurradas de janeiro. Caminha-se para a segunda maior safra de grãos da história. Parabéns a todos os produtores gaúchos, que trazem orgulho à nossa terra sob os olhares atentos do mundo.
voltar