Matéria de Capa
 
Nº 432 - ANO 33 - SETEMBRO DE 2019
 
Com alta de público, Expointer é marcada pela defesa da agropecuária do País
 
A defesa do agronegócio brasileiro e a busca de soluções para as crises nas cadeias do arroz e do leite marcaram a Expointer 2019, realizada entre os dias 24 de agosto e 1º de setembro, no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. A feira ainda atraiu 416,4 mil visitantes — 12,4% mais que no ano passado — e aumentou em 17,4% o volume de negócios, para R$ 2,7 bilhões, confirmando as expectativas das entidades organizadoras e do governo gaúcho.
“Estamos incomodando aquela parte do mundo que se preocupa, e muito, com o sucesso do agronegócio brasileiro. Existe uma luta ideológica dentro do País e uma luta mercadológica lá fora, uma ajudando a outra”, afirmou o presidente da Farsul, Gedeão Pereira, na tribuna de honra em frente à Pista Central, onde ocorreu a abertura oficial da Expointer. Segundo o dirigente, a questão ambiental aflora no contexto do acordo entre Mercosul e União Europeia e reflete o temor dos agricultores daquela região.
Presente durante dois dias na feira, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, destacou inúmeras vezes que o setor agropecuário é sustentável e merece respeito, pois é quem garante alimento seguro, barato e de qualidade à população. “Ataques vamos sofrer, pelo gigantismo que alcançamos”, disse ela após o desfile dos 130 animais campeões de diferentes raças de ovinos, caprinos, bovinos de corte e de leite, equinos e aves ornamentais.
Quanto às crises setoriais do arroz e do leite, as entidades encaminharam documento que elenca os problemas à ministra, durante encontro na Casa da Farsul. Tereza Cristina prometeu encontrar soluções para as cadeias e pediu aos produtores que não desistam da atividade. “Vou até às últimas consequências para defender o nosso agronegócio, com o respaldo do presidente Jair Bolsonaro”. Outro pedido especial foi pela inclusão de outros frigoríficos gaúchos na lista de plantas habilitadas a exportar para a China.
Ainda na abertura oficial, houve discursos de apoio às reformas de Estado e críticas a governos anteriores que inflaram a máquina pública e comprometerem o atendimento básico em segurança, saúde e educação. “O investimento de uma Expointer equivale ao que o estado gaúcho faz em seis. O governador herdou um estado inchado de tal maneira que não satisfaz nem o setor público, nem o privado”, ressaltou o presidente da Farsul. O governador gaúcho, Eduardo Leite, uma vez mais vinculou a redução da carga tributária à aprovação das reformas e ao reequilíbrio das contas públicas. “Estamos fortemente comprometidos com a pauta da redução de impostos e burocracias”, afirmou.
Ao todo, o evento teve duração de quase três horas, incluindo ainda apresentações musicais e exibição do 3º Regimento de Cavalaria de Guarda, composta por 96 cavaleiros trajando uniformes da Guerra do Paraguai. A solenidade contemplou ainda a outorga da Medalha Assis Brasil — condecoração instituída por decreto em 1973 que reconhece, todos os anos, profissionais com distintos serviços prestados ao ruralismo gaúcho e brasileiro. Nesta edição, foram homenageados o economista-chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz, a jornalista da Rede Bandeirantes Lizemara Prates e a engenheira agrônoma e produtora rural Anna Luiza Quinto di Cameli.

Destaque nacional
Outro destaque desta edição da Expointer foi a forte participação da CNA na programação, com direito a comitiva de dezenas de produtores e lideranças de todo o Brasil, liderada pelo presidente da entidade, João Martins. “A CNA tem tido participação muito importante nas questões de mercado internacional. Foi muito significativa a reunião da diretoria aqui na Expointer”, disse Gedeão Pereira a jornalistas na coletiva de balanço final da feira, dia 1º de setembro. Outro momento importante foi o apoio dos integrantes da Federação das Associações Rurais do Mercosul (Farm) acerca da pressão ambientalista internacional.

Público e renda
O acréscimo no público está ligado ao clima ensolarado que reinou nos primeiros sete dias de feira e à programação ampla, com mais de 400 atrações. Grande movimento também foi registrado nas oficinas técnicas oferecidas em diversos pontos do parque pelo Senar-RS e pelo programa Juntos para Competir. O primeiro atendeu sozinho a cerca de 5 mil pessoas e teve nas oficinas de bem-estar animal e Deriva Zero o maior volume de visitantes. “Cumprimos nosso objetivo de mostrar que a tecnologia é capaz de apoiar o Rio Grande do Sul a controlar os níveis de deriva na lavoura”, destaca o superintendente do Senar-RS, Eduardo Condorelli.
O programa realizado em parceria entre Farsul, Senar-RS e Sebrae/RS contou com mais de 9 mil visitantes no Pavilhão Internacional. Conforme o diretor técnico do Sebrae/RS, Ayrton Ramos, a qualidade do produto que chega à mesa é uma preocupação cada vez maior da cadeia produtiva, que precisa atuar junta para atingir níveis de excelência. “É por isso que temos atuado na Expointer, além de outras oportunidades, de forma conjunta, agregando conhecimento e a capacidade de cada organização neste processo”, justifica. As ações tiveram incremento de 51% nas interações com o público em relação à edição anterior.
Os bons números de vendas em 2019 foram destacados pelo governo do Estado ao final do evento. Para o governador Eduardo Leite, os dados mostram que a economia gaúcha é forte e “injetam confiança na retomada do crescimento”. O setor de máquinas e implementos agrícolas teve alta de 11,4% no encaminhamento de negócios, enquanto a o Pavilhão da Agricultura Familiar comercializou 13,5% mais e o artesanato, 8,4%. Apenas a pecuária teve queda (18%), em razão do cancelamento de remates.

Feira de mudanças
O diretor administrativo da Farsul, Francisco Lineu Schardong, destacou o crescimento na ovinocultura e a transformação da Pista B em centro de eventos, melhoria bastante elogiada pelas associações de raças nesta edição. O diretor da Casa Rural, José Alcindo de Souza Ávila, falou sobre os avanços em certificação digital e a revista comemorativa que resgata as 100 primeiras edições do Fórum Permanente do Agronegócio. Ainda sobre a comunicação com produtores e sindicatos, foi apresentado o novo site e aplicativo da Farsul em coletiva.

Premiação Cabanheiros
Foram sorteados diversos utensílios e ferramentas na Pista de Ovinos do Parque Assis Brasil, na manhã de 31 de agosto. De acordo com o diretor administrativo da Farsul, Francisco Schardong, o esforço nos bastidores é o que garante o sucesso da exposição. “Vocês trazem os craques, que são os Grandes Campeões. Todos aqui merecem o prêmio pelo trabalho que fazem”, afirmou Schardong.
O presidente do Sistema Farsul, Gedeão Pereira, contou a sua trajetória como pecuarista e ressaltou a importância do trabalho dos cabanheiros para garantir o alimento à sociedade. “O carro-chefe da exposição sempre foi a pecuária a essência da nossa Expointer”, disse o dirigente.
Foram distribuídas torradeiras, micro-ondas, cafeteiras, chaleiras elétricas e outros utensílios para facilitar a vida do trabalhador do campo, além de uma bicicleta (foto da capa) e um televisor.
voltar